domingo, 15 de março de 2015

Quando os olhos se enganam

Há muito tempo tenho mania de inventar coisas a partir do que vejo. É meio que assim: vejo alguém tocando violão com delicadeza e então começo a imaginar como seria se eu também soubesse tocar - e assim, minha mente começa a imaginar inúmeras situações em torno disso. Já sentiu algo assim?


Bem, dizem por aí que não há problemas em sonhar - "tristes são aqueles que não sonham" - e isso faz sentido. Mas a imaginação, algumas vezes, pode ser perigosa - principalmente partindo de uma mente totalmente mundo da lua como a minha.

Aconteceu alguns dias atrás que meus olhos viram outro olhar a me acertar. Fiquei confusa, mas minha confusão não impediu que minha mente começasse a trabalhar. E foram passando-se os dias, histórias surgiam a cada momento. Pensei no engano.

Apesar de terrível, o engano me fez colocar o pé no chão. Desmanchei todo o castelo de sonhos que construí no mundo da lua e voltei para o chão. E sabe o que é mais curioso nisso tudo? Não doeu nada em mim. Lembro-me de ter escrito, no ano passado, um texto me perguntando se eu havia perdido a minha sensibilidade. Bem, agora descobri a resposta: não é que eu tenha perdido a sensibilidade, mas é que meu coração aprendeu que não deve confiar nas marmotas da minha mente - ele já fica resguardado.

E depois de uma longa aventura no mundo da lua nascida de um olhar, comecei a enxergar a situação como ela realmente é. Não havia engano. Aliás, melhor colocando, não havia engano no olhar, mas sim em minha mente. Minha mente se encarregou da confusão, mas agora, desconfusa, consigo desacelerar o passo para acompanhar a verdadeira beleza de um olhar. Mesmo que isso seja apenas uma metáfora.

6 comentários:

  1. E quem nunca sentiu que a própria mente lhe pregou peças? Também sou daquelas que às vezes inventa coisas a respeito de algo, mesmo que não haja nada ali que claramente indique ser real o que estou imaginando.

    aguardandoocamaleao.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha mente já me pregou tantas peças que até perdi a conta. Quando não há nada é realmente péssimo, mas, mesmo quando há, a realidade nunca vai ser igual àquilo que sonhamos. É preciso ter cuidado! =]

      Excluir
  2. "não é que eu tenha perdido a sensibilidade, mas é que meu coração aprendeu que não deve confiar nas marmotas da minha mente - ele já fica resguardado." Exatamente isso!
    Aprendi muito a ser assim, Glenda! E sabe de uma coisa? Acho é o melhor jeito de levar a vida. Sonhar demais é perigoso, a realidade está aí para ser vivida.

    Bjs,
    www.miragemreal.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, Carol, sonhar demais é como brincar com fogo. O difícil é convencer a mente do perigo que ela está criando, porque, vamos combinar que é gostoso sonhar! O difícil é encarar a realidade depois...

      Excluir
  3. Que reflexão profunda, não há mal em sonhar, mas nesses enganos da mente :)

    beijoo,
    Dressa
    Blog Dress

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim Dressa, nossa mente nos engana mais do que imaginamos!

      Excluir

Sua opinião será sempre bem vinda *--*