sábado, 1 de novembro de 2014

É hora de abrir o diário

Todo mundo sabe que eu amo escrever, não sabem? Por isso, vivo procurando por detalhes, em meus dias, para que eles se tornem textos o mais verdadeiros possíveis. E foi olhando para a minha semana que descobri um grande detalhe apitando, piscando, vibrando e chamando para que eu abrisse logo o meu diário para escrever. Sim, eu vou escrever um texto para você.


É engraçado pensar que dias atrás eu escrevi um texto sobre as pequenas paixões e nem sequer tive o cuidado de me lembrar de você enquanto escrevia. Talvez eu ainda não tinha notado que estava gostando de te ver. Talvez eu ainda não tinha notado que você estava se tornando uma pequena paixão.

Então, como manda o figurino, vou começar do início. A primeira vez que te vi, se me lembro bem, foi naquele dia que eu estava bebendo água no meu copo de plástico verde e notei que estava atrapalhando sua passagem pelo corredor, abri espaço e você disse que estava tudo bem e eu podia continuar com o que estava fazendo - e ah, eu não pude deixar de notar o formato dos seus óculos e perceber o quanto eles caíam bem em seu rosto. Situação cotidiana, correto?

Correto. Mas, daí, eu comecei a te ver com mais frequência - frequência essa insuficiente para poder notar qualquer entusiamo em te ver. Digo isso porque foi depois de muito tempo que descobri que os nossos horários batiam. Okay, talvez este tenha sido o primeiro sinal de avanço.

E foi em algum desses horários batidos que eu pude ouvir você cantar. Pai eu quero te amar, tocar o Teu coração e me derramar aos Teus pés... E sabe, olhando pra trás, consigo notar que foi nesse momento que percebi que gostava de te ver. Sua voz era tão firme e, ao mesmo tempo, tão suave. Não resisti e cantei junto. Que fique claro que sou desentoada. Que fique claro que eu acho que você não ouviu.

E depois disso, semana após semana, eu sempre te ouvia cantar. Mas foi nessa semana passada, por não te ouvir cantar, que notei o quanto gostava da sua voz. É meio que assim, minha semana foi perfeita, meus estudos fluíram, eu sorri demais, mas sabe, senti como se fosse incompleta. E foi aí que eu descobri que, algumas pequenas paixões não nos satisfazem apenas pelo olhar, elas também necessitam do som da voz, de um sorriso ou de qualquer outro detalhe que com certeza minhas leitoras podem descrever melhor.

Portanto, agora com as anteninhas ligadas, vou cuidar para que toda essa pequena história não tenha um trágico final. "Sempre existe alguém que a gente gosta de ver" foi o que eu disse em outro texto, e agora refaço minha frase dizendo que sempre tem alguém que a gente gosta de ouvir. Enfim, não faço ideia do que você pensa sobre mim, de verdade, mas acho que isso não importa tanto, sabe? Porque eu me contento eu apenas te ouvir cantar.

10 comentários:

  1. Que fofo esse texto! Bem tipico de "diário" mesmo, muito fofo. rs Você traduziu alguns de meus pensamentos >-<

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Suzana! Seja bem vinda! =]
      Obrigada e que bom que se identificou!

      Excluir
  2. Tem sempre uma voz que nos toca e precisa ser ouvida.

    http://iasmincruz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Iasmin, ouvir uma voz que a gente gosta não tem preço! =]

      Excluir
  3. Ai Glenda, que texto encantador!
    Sabe, ele me fez lembrar da vez em que me "apaixonei" pelo cara que tocava órgão na minha igreja! Deixo "apaixonei" beeeem entre aspas porque no texto você não fala em paixão e nem eu sentia isso, era na verdade só alguma coisinha que de fato me fazia pensar "Eu gosto de vê-lo", algo como você descreve no texto. Até mesmo porque, ele era muito mais velho e tal. hahaha
    Adoro esse gostinho de início de qualquer coisa. E nossa, ouvi-lo tocar o tal instrumento na Igreja, para mim, era suficiente pra me sentir melhor. haha
    Adorei o texto! Sério! Muito bom. :)
    Beijos!

    http://perolairregulaar.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Pérola!
      Sério que te lembrou? Eu até imagino sua situação, realmente, pequenas paixões nos fazem sorrir muito! O problema é que um dia elas acabam se perdendo...
      E sim, não há nada como um bom início! =]

      Excluir
  4. Ao ler o texto imaginei a cena toda rsrs.
    Acho que não é só as pequenas paixões que necessitam dessas doses diárias, tanto do olhar quanto do escultar. Há um conjunto que orna direitinho para que possamos nos encantar cada vez mais pela outra pessoas, desde os mínimos detalhes.

    Amei o seu texto, aliás nem precisa dizer o quanto você escreve bem e tem coerência no mesmo. Beijão
    http://desconstruindoocaos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Haha! Sério que imaginou? É ótimo saber disso! =]
      Eu também acredito nisso, Andressa, que são os pequenos detalhes que conseguem manter as paixões - ou fazer aumentar!
      Super obrigada! <3

      Excluir
  5. Ahnn *-*
    Olha, se tem uma coisa que eu adoro é voz. Se souber cantar então!
    Imagino o quanto essa voz deve fazer diferença no seu dia...
    Seus textos são tão delicados sabia?? Sempre colocam um sorriso em meu rosto!

    Beijos,
    www.miragemreal.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Carol, demorei um tempo pra perceber que também gosto de voz! Haha! É algo que me deixa feliz, sabe?
      Obrigada! Eu é que sorrio quando me dizem isso! =]

      Excluir

Sua opinião será sempre bem vinda *--*