terça-feira, 16 de abril de 2013

Uma Semana - Parte 10

Enquanto Aline se torturava numa decisão difícil, seu telefone tocou: era Henrique pra perguntar se ela tinha recebido as flores.
- E aí, recebeu minha encomenda?
- Sim, acabei de receber...
- Gostou?
- Claro! – respondeu ela, sorrindo.
- Que bom que gostou! E você vai aceitar meu pedido?
Aline não sabia como responder, nem sabia o quê responder. Ela tinha que se decidir primeiro.
-... Eu vou pensar...
- Tudo bem, então depois você me responde. – Henrique disse isso em um tom de felicidade, ele tinha uma certeza de que Aline ia aceitar seu pedido, mas ele não sabia da história, não sabia de Pedro.
Se despediram, desligaram o telefone. Por mais que Aline se sentisse encurralada com essa decisão, no fundo ela se sentia feliz, pois havia conseguido conquistar dois caras incríveis sem nem querer. Talvez essa seja uma das melhores armas da conquista: agir sem intenção (sem segundas intenções), ser mais natural e sincera atrai mais pessoas boas pra perto.

E o Pedro, como ficou? Ele estava um pouco triste, depois de ver Aline recebendo aquelas flores sentiu insegurança e percebeu que tinha outro cara na jogada. Mas, por um lado, ele ainda achava que Aline aceitaria seu pedido, pois eles se conheciam há anos e se davam muito bem.

Já era sábado. A sexta feira havia passado e nada da Aline se decidir. Pedro havia ligado para ela na sexta feira à noite, e perguntou se ela tinha se decidido, Aline disse que não. Mas mesmo assim, eles ainda conversaram muito e riram bastante, como nos velhos tempos.

Agora, no sábado à tarde, Henrique ligava pra Aline pra convidá-la pra sair novamente. Foi nesse momento que Aline percebeu que estava fazendo um dos dois criar falsas expectativas sobre ela. Aline analisou as conversas que tivera com os dois, e percebeu que tanto o Pedro, quanto o Henrique, acreditavam que ela aceitaria, porém o Henrique não sabia que tinha um concorrente, mas o Pedro sabia. Aline viu que tinha que se decidir o mais rápido possível, antes que alguém se magoasse de verdade por sua causa. Mas como? Como tomar uma decisão assim tão rápido? Mas era preciso. Ela não gostava nem de pensar na ideia de magoar um daqueles dois. Complicado?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião será sempre bem vinda *--*