segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Se virar amor...

Você chegou na minha vida bem devagar. Posso até mesmo dizer que foi sem intenção de ambas as partes.
Foi ela que falou de mim pra você e de você pra mim. Na real, eu não tava nem aí com isso. Eu cantava aquela ‘musiquinha’ sem nem saber quem era você, mas isso serviu pra que ela tivesse um pretexto pra falar de mim pra você.

Eu sei que você também nem se importava. Mas o tempo foi passando e, é engraçado pensar que foi só ela parar de falar da gente pra gente começar a levar as coisas a sério.
E tudo foi acontecendo aos poucos, com olhares aqui, sorrisos ali, e muitos pensamentos vagos.

Esse seu jeito de ser me irritava. Cada vez que você ria de alguma bobagem minha eu ia ficando mais nervosa contigo. O tempo ia passando e meu nervosismo por você aumentava.
Quando eu te olhava nos olhos, de longe, eu sentia uma sensação tão gostosa por dentro – não sei explicar, só sei que era bom – mas eu sentia raiva da maneira que você conseguia mudar meu humor, ainda tenho raiva de você por saber que meus melhores sorrisos são seus. Argh!

Quando eu não te vejo, sinto raiva por você não ter ido. Quando te vejo, sinto raiva exatamente por ter que te olhar nos olhos e acabar sorrindo.
Eu simplesmente não entendo essa relação entre ódio e amor, aliás, amor não. Hoje você me deu um motivo pra eu não desistir de você, de nós. Mas é claro que isso não é amor.

Eu podia me segurar, tentar te evitar, tentar parar de pensar nisso. Mas sabe, nos últimos dias eu já não to nem aí com nada. Se for pra ser, que seja! Se virar amor, ótimo! Afinal, eu sempre quis viver um romance entre tapas e beijos...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião será sempre bem vinda *--*